NOTÍCIAS

Vinil
08/02/2018

Clara Nunes: de Minas para o mundo!

capa-Clara Nunes

Considerada uma das maiores intérpretes do país, Clara Francisca Gonçalves Pinheiro, nasceu em 12 de agosto de 1942, na cidade de Cedro, hoje Caetanópolis.

Ela perdeu o pai aos dois anos e a mãe aos seis. Aos 14, ingressou na fábrica de tecidos Cedro&Cachoeira, onde seu pai fora empregado. Mudou-se para Belo Horizonte para trabalhar como artesã, participava do Coral Renascença, quando conheceu o violonista Jadir Ambrósio – autor do hino do Cruzeiro – que, admirado com a sua voz, levou-a a vários programas de rádio.

Clara venceu a etapa mineira do concurso “A Voz de Ouro ABC” (promovido pela fábrica de rádios e televisões ABC – American Broadcasting Company) com a música Serenata do Adeus, composta por Vinicius de Moraes e gravada anteriormente pela sua principal influenciadora, Elizeth Cardoso.

A partir daí, foi trabalhar na Rádio Inconfidência e durante três anos seguidos foi considerada a melhor cantora de Minas Gerais; paralelamente era crooner de clubes e boates na capital mineira, onde foi companheira de Milton Nascimento – na época conhecido como o baixista Bituca.

fotos clara nunes4

Em 1963, ganhou um programa exclusivo na TV Itacolomi, que trazia artistas de renome nacional. Tempos depois, mudou-se para o Rio de Janeiro apresentando-se em vários programas de TV. Foi contratada pela Odeon que lançou o LP A Voz Adorável de Clara Nunes, mas não obteve sucesso comercial – a gravadora a obrigou a cantar só boleros. Em 1968, fez um álbum onde estrearia no samba com Você Passa e Eu Acho Graça (de Ataulfo Alves e Carlos Imperial), que a levaria a ficar conhecida nacionalmente.

Depois veio A Beleza que Canta (1969), e Clara fez uma viagem a Angola, onde estudou folclore, música e danças que influenciaram a nossa cultura. Ela acreditava que sua força estava nas raízes populares e seu foco se direcionou para esse objetivo. Na sequência saíram os LPs Clara Nunes (1971), Clara Clarice Clara (1972) e Clara Nunes (1973). Nessa fase, suas canções eram calcadas em temas da umbanda e do candomblé e ela adotou sua indumentária característica, sempre de branco e com colares e missangas.

fotos clara nunes2

Estreou com Vinicius de Moraes e Toquinho o show O Poeta, a Moça e o Violão no Teatro Castro Alves, em Salvador. Foi convidada pela Radiotelevisão Portuguesa para fazer uma temporada em Lisboa. Percorreu outros países da Europa, quando gravou um especial com a Orquestra Sinfônica de Estocolmo, na Suécia.

Em 1974, a Odeon lançou o LP Alvorecer que emplacou os sucessos o Conto de Areia e Meu Sapato Já Furou. O disco bateu recorde de vendas, com 400 mil cópias; isso rompeu com o tabu de que mulher não vendia discos e estimulou outras gravadoras a investir em sambistas femininas como Alcione e Beth Carvalho. Ela ainda atuou ao lado de Paulo Gracindo, em Brasileiro Profissão Esperança (de Paulo Pontes), uma encenação sobre a vida da cantora e compositora Dolores Duran e do compositor e jornalista Antônio Maria e o show gerou um disco homônimo.

fotos clara nunes3

Clara casou-se com o poeta, compositor e produtor Paulo César Pinheiro, de quem gravou várias canções. Fez Claridade, que traz os sucessos O Mar Serenou e Juízo Final – álbum considerado um dos mais importantes de sua carreira. Em 1976, gravou Canto das Três Raças, além da faixa-título o disco conta com Lama e Retrato Falado. No ano seguinte, ela produziu o álbum As Forças da Natureza. Em 1977, inaugurou no Rio de Janeiro o Teatro Clara Nunes, de sua propriedade, fato até então inédito para uma cantora brasileira.

Em 1978, foram lançados Guerreira, no qual Clara interpretou vários ritmos brasileiros; e Esperança, com destaque para a faixa Feira de Mangaio. Participou, ao lado de Chico Buarque, Maria Bethânia e outros artistas do show do Riocentro, que marcaria a história política brasileira devido a um ato terrorista praticado por militares radicais, com a explosão de uma bomba que deixaria como vítimas os próprios autores.

Clara se submeteu a uma histerectomia, após sofrer três abortos espontâneos, por causa dos miomas que possuía no útero. A impossibilidade de ser mãe causou-lhe muito sofrimento, compensado apenas pela entrega absoluta à carreira artística.

fotos clara nunes1

Ela tem em seu acervo mais de dezoito discos de ouro. Seu LP mais vendido foi Brasil Mestiço de 1980, que ultrapassou a marca de um milhão de cópias e foi premiada com o celebrado Troféu Roquette Pinto. Em 1981, saiu o LP Clara, com destaque para a música Portela na Avenida; e também estreou o show Clara Mestiça (dirigido por Bibi Ferreira). No ano seguinte, veio Nação, seu último álbum de estúdio.

Em março de 1983, Clara Nunes se submeteu a uma cirurgia de varizes, mas acabou tendo uma reação alérgica. Em dois de abril do mesmo ano, o Brasil perdeu uma de suas maiores cantoras, vitimada por um choque anafilático.

Com o enredo Contos de Areia, a Portela faz uma homenagem a Clara, em 1984, sendo campeã, juntamente com a Estação Primeira de Mangueira. Sua obra foi editada em CD em 1997 e reeditada em 2004.

Em 2007, foi publicada a biografia Clara Nunes – Guerreira da Utopia (Ediouro), escrita pelo jornalista Vagner Fernandes, e no final de 2017 foi lançado o documentário Clara Estrela, dirigido por Susanna Lira e Rodrigo Alzuguir, que conta a história da artista através de seus próprios depoimentos.